Flexitarianismo: para vegetarianos flexíveis

adobestock_102728629-tbn

O flexitarianismo é um termo que funde os conceitos “vegetarianismo” e “flexível”, uma nova tendência nutricional, cuja dieta é baseada na ingestão de alimentos vegetais mas permite a ingestão, esporádica, de peixe e carne. A ideia do flexitarianismo é a de que, não é necessário eliminar de forma radical o consumo de carne e peixe para se obter os benefícios associados à dieta vegetariana. Os flexitarianos são motivados para o vegetarianismo, habitualmente cozinham e consomem pratos vegetarianos, mas esporadicamente, por exemplo em momentos festivos, consomem carne ou peixe.

Na dieta vegetariana uma das principais dificuldades é o aporte de vitamina B12, existente em alimentos de origem animal. Os vegetarianos tendem também a utilizar e a alternar fontes proteicas de origem animal – os laticínios, sobretudo iogurtes e queijo, e os ovos – e proteínas de origem vegetal, como as leguminosas (feijão, grão, lentilhas), os frutos oleaginosos (nozes, amêndoas, avelãs), as sementes (sésamo, girassol, abóbora) e os cereais não refinados (flocos de aveia, arroz e massas integrais), para obterem fontes proteicas completas e equilibradas. Nestes aspetos, o flexitarianismo pode vir a colmatar possíveis défices nutricionais.

Existem diversos benefícios descritos pelo flexitarianismo: ausência de alimentos proibidos, levando por sua vez a uma melhor socialização; melhoria do estado geral de saúde pelo o aumento de ingestão de frutos e vegetais protetores e do consumo ocasional de carne e peixe, e ainda, diminuição do impacte ambiental, devido à redução do consumo dos mesmos.

Os flexitarianos privilegiam, assim, o consumo da produção local, o consumo de alimentos sazonais, a escolha de produtos sustentáveis e a diversidade de alimentos.
Contudo, embora o flexitarianismo proponha a diminuição do consumo de carne e peixe, as organizações vegetarianas não o reconhecem como um tipo de vegetarianismo, já que não há a abstenção por completo do consumo de alimentos de origem animal, sendo um termo ainda pouco utilizado e consensual.

Ana Rita Lopes, Nutricionista. Membro da Ordem dos Nutricionistas nº0467N.
Hospital Lusíadas Lisboa.
Colaboração com Dietética e Nutrição da ESTeSL.