Tipos de Farinha – o essencial – parte 2

AdobeStock_79813319_tbn

Sabia que existem mais de 20 tipos diferentes de farinhas? Sabe quais são e as suas características nutricionais e de utilização?

Aqui pode encontrar as farinhas mais comummente utilizadas.

A farinha de coco, com um bom aporte de fibra e proteína, pode ser utilizada em diversas preparações , assim como a farinha de amêndoa: batidos de fruta, iogurtes, mueslis, saladas.

A farinha de espelta fornecedora de proteínas, pode ser utilizada para engrossar molhos ou sopas, ou mesmo em receitas de padaria e pastelaria. Já a de araruta, que também é utilizada para engrossar molhos e sopas, é tradicionalmente utilizada para a preparação de papas (com água, leite ou bebida vegetal), pela sua boa digestibilidade e apresenta um baixo conteúdo de gordura (0,1g/100g produto).

As farinhas de leguminosas, como a de soja e de grão-de-bico, são fontes de vitaminas do complexo B e de fibra, podendo a de soja ser utilizada como enriquecimento proteico das preparações. São farinhas naturalmente sem glúten (devendo sempre consultar o rótulo), e adequadas a dietas vegans. Podem ser utilizadas em pastelaria e padaria em mistura com outras farinhas (substituindo cerca de 25% da quantidade) podendo ainda, a farinha de grão-de-bico, ser um substituto ao ovo [1 ovo = ¼ chávena de água ou bebida vegetal + ¼ chávena de farinha de grão-de-bico].

A chia e a linhaça são fornecedoras das gorduras “boas”, ómega 3 e 6, fibra e proteína. As farinhas podem ser adicionadas aos cereais, leite, sumos, sopas, iogurtes ou saladas.

Se pretender uma farinha naturalmente doce, opte pela de alfarroba. Pelo seu sabor achocolatado e cor pode substituir o chocolate ou cacau, fornecendo baixo teor de gordura. Pode ser utilizada em papas, bolos, pão, recheios, ou simplesmente misturada com leite. Descubra, por exemplo, esta receita de panquecas de espelta com agave.  

As farinhas de aveia e castanha podem ser utilizadas puras ou com mistura com a farinha de trigo, ambas fornecedoras de proteína e a aveia de fibra (ajuda a manter um bom trânsito intestinal), podem ser utilizadas em pastelaria, massas e, ainda, na preparação de gaufres.

Também fornecedora de proteína, 13g/100g de farinha, a farinha de trigo-sarraceno pode ser utilizada na preparação de papas com leite ou bebidas vegetais e, na pastelaria e panificação.

As farinhas de frutos secos, são boas alternativas para a preparação de panquecas, bolos, muffins, biscoitos ou bolachas. São farinhas com elevado teor de gordura insaturada (considerada a gordura “boa”) e com aporte proteico. A farinha de amêndoa, apresenta um elevado teor de fibra (14g/100g de farinha) e de proteína tem 19g/100g de farinha, podendo também ser incluída em batidos, iogurtes, mueslis e saladas. Funciona bem em combinação com outras farinhas para obtenção de um perfil nutricional equilibrado do preparado final. Um ótimo exemplo é esta receita de bolo de banana e sementes com farinha de coco.

Por fim, a farinha de mandioca, fornecedora de vitamina C (85mg/100g; VRN: 106%), é uma farinha que substituindo até cerca de 25% as outras farinhas, não promove uma alteração de sabor significativa nas suas preparações.

Joana Costa, Nutricionista Jumbo.
Membro da Ordem dos Nutricionistas nº2074N