Como gerir birras alimentares

Como gerir birras alimentares

Para desespero dos pais, há frases que todas as crianças, mais cedo ou mais tarde, repetem na hora de ir para a mesa: “Não gosto disso!”, “Não quero mais!”, “Só como isto, isso não.”. As birras alimentares fazem parte do processo de crescimento e representam um desafio ao poder parental.

A educação alimentar é muito importante para os mais pequenos, pois é desde muito cedo que descobrem novos paladares e texturas. Para que o processo não seja doloroso, nem para si, nem para a criança, existem truques para ajudar em situações de birra.

  • Quando introduzir um novo alimento, faça-o conjuntamente com alimentos já familiares para a criança. Se houver recusa, não desista! Volte a colocar o alimento no prato passado alguns dias.
  • A hora da refeição é sagrada. As rotinas alimentares como momento de partilha com a família traduzem-se numa criança mais calma;
  • Por mais que lhe doa o coração, não insista para comer mais após duas ou três tentativas. Se a criança não quer, não come. Quanto mais insistir, mais stress é passado e comer torna-se uma batalha e, por vezes, uma tortura;
  • Se ficou tudo no prato, não compense com alimentos que sabe que a criança gosta só para ter a certeza de que ficou bem alimentada. Lembre-se: ela não vai passar fome, porque comeu o dia todo!;
  • Nunca negoceie trocas alimentares com a criança! O reforço positivo irá recair sobre o alimento menos saudável e o reforço negativo sobre o alimento saudável;
  • Envolva a criança na preparação das refeições. Os mais pequenos adoram ajudar e permite-lhes ter um primeiro contacto com os alimentos.

Acima de tudo, encare as birras alimentares como algo normal em qualquer criança e seja assertivo na hora de lhes colocar um ponto final.

Tânia Miguel Soeiro, Coach da Your Challenge, Formadora e Nutricionista do Nutrihome.

Membro da Ordem dos Nutricionistas nº0588N.