Dançar faz bem. Ao corpo e à alma.

Dançar faz bem. Ao corpo e à alma.

Quando pensamos em dança, pensamos em festa, amigos e até em felicidade. Está correto. Mas sabia que a dança pode ser também sinónimo de atividade física?

Falámos com Álvaro Lopes, professor de Hip Hop e Jazzy Dance e Diretor Geral da Jazzy Dance School, que nos explicou que a dança pode gerar o aumento da auto-estima e da confiança. Desde o street dance (Hip Hop, Breakdance, House, Locking, Popping), às danças sociais (Kizomba, Salsa, Bachata, Forró, Tango Argentino) à Dança Clássica, Contemporânea ou Jazz, todas são capazes de pôr um sorriso diário na cara de quem a pratica.

Contudo, não é apenas no estado de espírito que a dança tem influência. Se for praticada com regularidade, pode também beneficiar o físico. Sabemos que a dança tem inúmeras variações, estilos e até movimentos, diríamos, infinitos. Nesse sentido ela pode ser complementar a outras modalidades, como o ginásio, a barra no chão, os alongamentos, entre outras. Apesar de o corpo estar todo em movimento e melhorar a condição física em geral, quem pratica por exemplo o Samba, a Salsa, o Ballet e outras Danças Clássicas melhora o tónus muscular na zona dos glúteos e pernas. Já danças como o Reggaeton, Dança do Ventre, Jazz, Tango, são exemplos de estilos que focam o seu trabalho também nos músculos abdominais.

A duração de uma aula ou treino é de cerca de 1h a 1h30 e o melhor de tudo é que só precisa de levar roupa confortável, estilo desportivo.

Indicada para jovens e seniores e até para quem não tem par. Para começar:

  • Escolha o estilo e ritmo que mais gosta;
  • Solte o corpo e não tenha vergonha, lembre-se: os seus colegas também estão a aprender;
  • Faça movimentos que respeitem os seus limites iniciais;
  • Todos sabemos dançar, basta experimentar.

 

Teresa Almeida Técnica de Exercício Físico nº11611
www.portugalemforma.com