Ervas aromáticas em casa: benefícios e dicas práticas

AdobeStock_34243398_299

As ervas aromáticas devem fazer parte de uma alimentação saudável, pelo que ter uma horta em casa traz benefícios: torna-as mais acessíveis; reduz o tempo entre a colheita e o consumo, permitindo consumi-las mais frescas; contribui para a redução do consumo de sal e gorduras em excesso; poupa dinheiro; torna a sua alimentação mais sustentável; são fáceis de cuidar e necessitam de pouco espaço para crescer; e é uma maneira divertida de explicar às crianças a origem dos alimentos e incutir-lhes responsabilidades.
Além disso, as suas aplicações na culinária são variadas, pelo que pode incluí-las em todo o tipo de pratos, saladas, sopas, sobremesas, sumos de fruta e infusões, uma vez que intensificam e diversificam o paladar.

Cuidar de uma horta traz também benefícios a diversos níveis:

  • Físico (promove a atividade física e a coordenação motora);
  • Psicológico (reduz o stress e promove o aumento da auto-estima);
  • Cognitivo (melhora a atenção e a capacidade de resolver problemas);
  • Espiritual (traz uma sensação de paz e harmonia);
  • Social (promove atividades em grupo e reforça os laços afetivos entre as pessoas).

Tendo isto em conta, ponha em prática estas cinco dicas e crie a sua horta de ervas aromáticas:

  1. Escolha um local dentro de casa ou no exterior, com luz mas poucas horas de sol direto, e abrigado do vento. Poderá ser o parapeito de uma janela, ou um canto do seu terraço, jardim, logradouro, varanda ou marquise. Para facilitar a exposição solar, dê-lhes mobilidade, colocando um suporte com rodas na base dos vasos;
  2. Ganhe espaço com um sistema de vasos empilháveis modulares com reservatórios de água para uma correta drenagem, criando uma horta vertical;
  3. Opte por regar as aromáticas pela sua base, tendo em conta a estação do ano, a humidade da terra e a vivacidade e cor das folhas. Elas não deverão ter demasiada água (para evitar o apodrecimento das raízes), nem água insuficiente (para uma correta hidratação);
  4. Recomenda-se que apanhe regularmente as folhas para encorajar o seu crescimento. Se notar que estão a crescer florescências, colha as flores para que a planta gaste a sua energia a produzir as folhas comestíveis.
  5. Por fim, se tiver rebentos em excesso, congele ou seque as folhas para garantir que as tem quando necessitar.

Aceite o desafio: respire fundo, cuide da sua horta e deixe-se revigorar pelo seu perfume!

João Côrça, Nutricionista da APCOI – Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil.
Membro da Ordem dos Nutricionistas nº 0556N.
Em colaboração com a Área Científica de Dietética da ESTeSL.