A importância de beber água na 3ª idade

A importância de beber água na 3ª idade

O idoso é mais susceptível a situações de desidratação pois tem perda da sensação de sede e a capacidade de retenção de água pelos rins está limitada. O risco é acrescido em idosos com alterações da função cognitiva ou acamados com acesso limitado a líquidos.

A desidratação pode aumentar o aparecimento de infecções urinárias e litíase (pedra no rim), causar ou agravar situações de obstipação (prisão de ventre), em indivíduos acamados aumentar o risco de úlceras de pressão, causar ou agravar situações de hipotensão e síncope e aumentar o fator de risco de quedas devido à deterioração do estado mental.

Para determinar quais são as suas necessidades hídricas pode utilizar uma regra prática estabelecendo 30-35ml/por kg/por dia.

Estratégias para manter um adequado estado de hidratação no idoso:

  • Crie um horário de ingestão hídrica associado às tarefas diárias;
  • Aromatize a água juntando por exemplo hortelã, canela, rodelas de limão ou ananás, com vista à estimulação do interesse pela ingestão hídrica;
  • Coma sopa no início das refeições, no Verão inclua a opção de sopas frias;
  • Sempre que for ao WC, reponha os níveis de hidratação ingerindo líquidos;
  • Observe a coloração da urina que se deve manter clara (a sua coloração também pode ser afectada por alguns medicamentos);
  • Reforce a ingestão hídrica quando a temperatura ambiente for mais elevada e em situações clínicas como vómitos, diarreia ou febre.

São sintomas de desidratação:

  • Confusão e tonturas;
  • Fraqueza;
  • Sede;
  • Pele e mucosas secas;
  • Olhos encovados;
  • Concentração e diminuição da produção de urina;
  • Aumento da frequência cardíaca com redução da pressão sanguínea.

Ana Catarina Moreira, Licenciatura em Dietética e Nutrição da ESTeSL.