Bruno Salgueiro: dicas que fazem bem à saúde

Bruno Salgueiro: dicas que fazem bem à saúde Bruno Salgueiro: dicas que fazem bem à saúde Bruno Salgueiro: dicas que fazem bem à saúde Bruno Salgueiro: dicas que fazem bem à saúde

Duplo profissional na equipa MAD Stunts, Personal Trainer e praticante de Kungfu. Através do seu novo site – dicasdosalgueiro.pt -, da sua página no Facebook que já conta com mais de 117 mil seguidores e do seu canal de Youtube com mais de 99.000 subscritores, Bruno Salgueiro quer “pôr Portugal a mexer”.  Fomos conversar com ele.

 

1. O que faz exatamente um duplo profissional em Portugal?
Um duplo é um ator de corpo e por vezes mesmo um ator secundário. Gravo muito em Portugal cenas de duplo, mas a minha profissão implica também consultoria de segurança, porque tenho de coordenar e desenhar as cenas em que participo, bem como acompanhar os atores. Aliás, preparar os atores foi a origem do meu trabalho de personal trainer (PT). Comecei por trabalhar fisicamente os atores e acabei por ficar a dar aulas de várias modalidades com caráter mais frequente: cardiofitness e crossfit. Sou um bocadinho como o menu do restaurante chinês, faço muita coisa!

.

2. Como descreve a sua rotina diária?
Sou um «freelancer» por isso a minha rotina muda muito. Quando treino de manhã começo às 10h00. Do ponto de vista da alimentação sigo «as pedras basilares», ou seja, com o meu estilo de vida preciso de muitas calorias, preciso de manter uma camada de gordura para aguentar. Os «timings» e as doses variam em função do meu objetivo e do ritmo de trabalho.

.

3. O que quis dizer quando lançou o desafio «Vamos pôr Portugal a mexer!»?
Acho que com a motivação certa todos podem e devem fazer exercício físico. A motivação pode vir de qualquer lado, inclusive da estética. Somos fúteis e por vezes a motivação vem mais das questões de imagem do que da saúde. Depois de começar as pessoas gostam de fazer exercício porque se torna viciante na nossa rotina.

.

4. Somos cada vez mais sedentários e passamos horas sentados no escritório… Como podemos combater esta inércia se temos sempre falta de tempo?
Precisamos de fazer uma alfabetização física. O exercício é catártico. Muitas vezes o stress diário resolve-se não através de práticas mais calmas mas do exercício intenso. Precisamos de «explodir». Acredito mesmo na «mind body connection», resolver a cabeça pelo corpo. Pode-se fazer exercício a qualquer hora do dia… Em casa, ao ar livre, no ginásio…

.

5. «Treinar duro não é só para uma elite … pode ser para qualquer tipo de pessoa, de qualquer idade», é mesmo assim?
Eu não tenho um target, treinar é mesmo para todos. Já fiz um filme com os meus avós com mobilidade reduzida: a fazer flexões em casa, a subir escadas… Já fiz programas de treino para crianças de 10 anos… O importante é saber o que nos interessa, o que funciona melhor. Em família também é possível mas deve fazer parte da rotina e até pode ser divertido. Fazer «burpee» (deitar e levantar do chão) por exemplo.

.

6. Atualmente existem tantas modalidades diferentes… Como é que sabemos qual é a mais adequada para nós? Existem prioridades entre fazer treino de força, resistência (aeróbio) ou flexibilidade?
É importante pedir ajuda. Ter um personal trainer, se for viável, é o ideal. Se não for possível, a ginástica e a natação são adequados para a maioria das pessoas. Na verdade fazemos exercício todos os dias porque somos ativos, mas temos de saber correr, saltar, lançar uma bola. Há exercícios básicos no ginásio que são importantes e funcionais.

.

7. É importante o descanso entre treinos? Como devemos fazer a recuperação do exercício físico?
Dormir bem é essencial. Durmo pelo menos 8 horas. Dormir descarrilado e depois tentar compensar não funciona. Pode-se fazer alongamentos antes de dormir mas cardiofitness não. Deve evitar-se ter estimulantes no quarto como televisão, jogos, etc. A respiração é também importante. Comer demasiado ou deitar-se com fome são coisas que também se deve evitar.

.

8. Existem truques para evitar quedas ou lesões para pessoas de uma certa idade ou mesmo «desportistas» ocasionais?
Em primeiro lugar não se deve fazer desporto ocasionalmente, sem preparação. As pessoas não têm noção das lesões que acontecem nestas situações. Quando se está em baixo de forma não se podem fazer exercícios de mais de 10 minutos. Para cada pessoa, uma pedagogia diferente. A prevenção é essencial.

.

9. Normalmente no regresso das compras temos de transportar sacos pesados. Como nos protegemos do peso excessivo?
O agachamento, os exercícios simples de sentar e levantar com uma mochila ao colo, por exemplo, as flexões (há vários níveis de dificuldade em função de cada pessoa)… São algumas formas de fazer exercício em casa para fortalecer os músculos. E depois repete-se a «ronda» aprendendo a gerir o esforço e fazendo intervalos para descansar. O objetivo é moldar o corpo às dificuldades que o dia-a-dia apresenta.

.

10. Planear as refeições é chave para ter uma alimentação mais equilibrada… O que podemos sugerir às famílias? Quer partilhar algumas sugestões?
Em primeiro lugar alimentação saudável não significa sem sabor. Evitar o que é mais viciante como o sal e o açúcar apesar do treino intenso precisar de açúcares. Quando treino bebo um sumo ou como uma barra de cereais. Um dos grandes problemas é que as pessoas passam muitas horas sem comer e na verdade podem fazer-se coisas fantásticas em 10 ou 15 minutos. Sou eu que planeio e cozinho sempre. Aposto nos cozidos e grelhados, acompanhamento de vegetais, arroz, batata-doce, snacks de frutos secos (com casca e sem sal). Como carnes vermelhas porque considero que preciso para o meu treino. Os ovos também, sem restrição. Depende das pessoas mas um pouco de proteína em todas as refeições é importante.

.

11. As Dicas do Salgueiro transmitem sempre otimismo e motivação. Qual é o segredo?
Acredito em estar bem e bem disposto. Não acredito em alimentar o negativismo. Tenho que ter energia para motivar os outros, acho que sou um pouco pulsante, mesmo a cozinhar, porque sou acelerado por natureza, mas preciso de ter objetivos pessoais.